Add Your Blog | | Signup
Os Filhos do Mondego · 2W ago

Dissertações, desinteressantes, numa tarde de praia

Na praia, pouco depois de ler, costumo deitar a cabeça sobre o livro. Não sei o que tento alcançar com isso. Talvez acredite poder absorver a beleza das palavras por osmose, ou algo que me v...
Os Filhos do Mondego · 2W ago

Elogio à individualidade

Deixei há algum tempo de seguir os caminhos que outros me apontam. Talvez porque cada mão aponte um caminho diferente - e eu só posso seguir um, de cada vez. Sempre me disseram que é impossí...
Os Filhos do Mondego · 3W ago

Sem título, a caneta

Não tinha onde te escrever, a não ser               nos limites destas páginasa tinta permanenteA vida é uma máquina de fazerpassados. Avançamos por elacomo pilotos de carros de corrida,fugi...
Os Filhos do Mondego · 1M ago

Uma canção para um coração partido

Disseste-me adeus diz-se aos mortos, mas que querias que dissesse a não ser um adeus? Não tinha mais que dizer. Não que quisesse matar-te no meu coração, a tiro de revólver. Nada disso. Só q...
Os Filhos do Mondego · 1M ago

Caprichos do século XXI

Vivemos numa época de caprichos. O que hoje parece eterno, amanhã já está feito em ruínas. Parecemos andar ao sabor do vento, seguindo o caminho que ele decide, sem nos darmos conta dos dano...
Os Filhos do Mondego · 1M ago

Janela

É terça-feira, e Julho entrou a correr pela vida adentro, como um convidado que, apesar de esperado, entra pela porta de rompante, deixando a casa em pé de guerra. É de noite, e nem os grilo...
Os Filhos do Mondego · 1M ago

Poesia

E ela tinha poesia na pele, como uma tatuagem que me contava histórias. Não com palavras, com imagens. Tudo me fazia perder nos caminhos do corpo. Nos labirintos que outros julgaram saber pe...
Os Filhos do Mondego · 2M ago

Solteirismo

É Junho, estou sozinho em casa a pensar em velhas conversas. Tenho os acordes e a voz melancólica de Cigarettes After Sex a tocarem no computador, enquanto escrevo as palavras à pressa, com ...
Os Filhos do Mondego · 2M ago

Liberdade

“pássaros criados em gaiolas acreditam que voar é uma doença” Alejandro JodorowskyDe que te vale teres olhosse te obrigam a ver o que querem que vejas?De que te vale teres bocase te mandam c...
Os Filhos do Mondego · 2M ago

Lisboa

A cidade, como uma mulher, veste-se lindíssima com todas as cores. Nada nela parece não pertencer. Como uma mulher mantém-se inabalável, inatingível, mesmo que o tempo, mesmo que depois o te...