Add Your Blog | | Signup
poesia · 3h ago

mário cesariny / rua do ouro

Ai dele que tanto lutou e afinal está tão só. Tão sòzinho. Chora. Direcção da Companhia Tantos de Tal. Cincoenta e três anos. Chove, lá fora.Chora, porquê? Ora, chora. Uma crise de nervos, c...
poesia · 1d ago

pedro oom / as virtudes dialogais

Dentrode mimhá uma plantaque crescealegrementeque dizbom diaquando nos amamosao entardecere boa noitequando florimosà alvorada
poesia · 2d ago

nuno júdice / é isto o amor

Em quem pensar, agora, senão em ti? Tu, que me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a manhã da minha noite. É verdade que te podia dizer: «Como é mais fácil deixar que as coisas não mu...
poesia · 3d ago

allen ginsberg / canção

O peso do mundo                é amor.Sob o fardo                da solidão,sob o fardo                 do descontentamento                o peso,
poesia · 4d ago

roland barthes / um pequeno ponto no nariz

5.O discurso de amor é, normalmente, um envelope liso colado à Imagem, uma luva macia que rodeia o ser amado. É um discurso devoto, cheio de bons sentimentos. Quando a Imagem se altera, dila...
poesia · 5d ago

joaquim manuel magalhães / tão altas as primeiras árvores

Tão altas as primeiras árvores.Vem a primavera destruí-las.Fulgores fugazes os cabelosà poeira do céu.A alma pisada de caminhos,o meigo revólver do olharvêem-te partir.Por essa cidade, perdi...
poesia · 6d ago

bernardo soares / a divina inveja

Sempre que tenho uma sensação agradável cm companhia de outros, invejo-lhes a parte que tiveram nessa sensação. Parece-me um impudor que eles sentissem o mesmo do que eu, que me devassassem ...
poesia · 1w ago

irene lisboa / passeios

1Não parar.Nunca parar, nem para descobrir a água, nempara ouvir as cigarras, o vento, o corvo des-garrado.Andar!Tortuosos, solitários, fáceis caminhos, ir-vos sem-pré seguindo.irene lisboa
poesia · 1W ago

jorge de sena / como queiras, amor...

Como queiras, Amor, como tu queiras. Entregue a ti, a tudo me abandono, seguro e certo, num terror tranquilo. A tudo quanto espero e quanto temo, entregue a ti, Amor, eu me dedico. Nada há q...
poesia · 1W ago

amalia bautista / a foto

Tira-me uma dessas fotos que tiras,embacia a objectiva, desfocaum pouco e mede mal a luz. Agoraque termina o dia não é difícileu sair favorecida. Que os traçosse suavizem, que todas as rugas...